O que é patrimônio líquido? Veja como calcular e confira alguns exemplos!

Veja o que faz parte do patrimônio líquido e como calcular o seu.

Igor: 05/03/2024

O patrimônio líquido é um conceito fundamental no âmbito contábil e financeiro, representando a verdadeira medida da riqueza de uma entidade, seja ela uma empresa ou uma pessoa física.

Por conta disso, é fundamental saber calcular o patrimônio líquido e compreender o que realmente faz parte dele.

Neste artigo, exploraremos o significado do patrimônio líquido, o que faz parte dessa equação financeira e como calcular esse indicador crucial. Acompanhe a matéria até o final para ter mais informações.

Veja nesse artigo:

O que é o patrimônio líquido?

Em termos contábeis, o patrimônio líquido é a diferença entre os ativos e os passivos de uma entidade. Ele reflete a parcela do patrimônio que realmente pertence aos acionistas em uma empresa ou à pessoa física, descontando todas as obrigações.

Em outras palavras, o patrimônio líquido é a verdadeira medida da riqueza, representando o valor residual após a liquidação de todos os compromissos. Ou seja, após descontar o que você deve pagar, quanto realmente você tem de valor.

Esse indicador é importante ao mostrar a evolução do patrimônio líquido aos acionistas como um indicativo do desempenho da empresa ao longo do tempo, assim como é fundamental para que uma pessoa saiba o que realmente ela tem de riquezas.

O que faz parte do patrimônio líquido?

O Patrimônio Líquido é composto por diversos elementos que refletem a saúde financeira e a estrutura de propriedade de uma entidade, seja ela uma empresa ou uma pessoa física.

As principais contas que fazem parte do Patrimônio Líquido são definidas de acordo com a legislação brasileira (Lei 6404/76).

Dessa forma, o Patrimônio Líquido compreende todos os elementos que representam a riqueza de uma entidade, seja uma empresa ou uma pessoa física. Ao considerar o que faz parte do Patrimônio Líquido, é essencial abranger uma variedade de ativos e direitos, descontando as obrigações e dívidas. Alguns exemplos comuns incluem:

  • Capital Social: Representa o investimento inicial dos sócios ou acionistas na empresa.
  • Lucros Retidos: Os lucros acumulados ao longo do tempo e reinvestidos na empresa.
  • Reservas de Lucros: Porções específicas dos lucros destinadas a reservas, como Reserva Legal e Reserva para Contingências.
  • Imóveis: Propriedades e terrenos que pertencem à entidade.
  • Valores a Receber: Quantias a serem recebidas de clientes ou outras entidades.
  • Dinheiro em Caixa: Fundos disponíveis na forma de dinheiro ou equivalentes de caixa.
  • Investimentos: Participações em outras empresas ou investimentos financeiros.
  • Equipamentos e Ativos Fixos: Bens duráveis, como máquinas, veículos e equipamentos.
  • Marcas e Propriedade Intelectual: Ativos intangíveis que agregam valor à empresa.
  • Ações Próprias (Ações em Tesouraria): Ações recompradas pela empresa no mercado.
  • Créditos e Direitos: Valores a serem recebidos, como créditos fiscais e direitos contratuais.

É importante destacar que o Patrimônio Líquido é o resultado da diferença entre ativos e passivos.

Portanto, ao calcular o Patrimônio Líquido, é necessário deduzir as obrigações financeiras e dívidas existentes. Essa equação oferece uma visão abrangente da saúde financeira da entidade, revelando o valor líquido real que pertence aos seus proprietários.

Ao analisar o Patrimônio Líquido, é possível avaliar a solidez financeira, a capacidade de investimento e o desempenho ao longo do tempo.

Da mesma forma que existe o patrimônio líquido, é possível fazer o cálculo do Patrimônio Bruto de uma empresa ou pessoal.

Se você quiser saber sobre o patrimônio bruto, temos uma matéria completa aqui para você compreender o assunto.

O que são os ativos?

Ativos representam recursos econômicos controlados por uma entidade como resultado de eventos passados e dos quais se espera que fluam benefícios econômicos futuros. Em termos simples, são coisas valiosas que uma empresa ou pessoa possui e que podem ser utilizadas para gerar valor.

Assim, dentro de uma empresa, existem dois tipos de ativos: ativos circulantes e ativos não-circulantes.

A distinção entre Ativos Circulantes e Não-Circulantes é fundamental para entender a liquidez e a estrutura financeira de uma entidade. Enquanto os Ativos Circulantes são essenciais para as operações diárias e curto prazo, os Ativos Não-Circulantes representam investimentos de longo prazo que contribuem para o valor sustentável da entidade.

O que são ativos circulantes?

Ativos Circulantes são os recursos e bens de uma entidade que são esperados para serem convertidos em dinheiro ou consumidos no ciclo operacional normal da empresa, geralmente dentro de um ano. Eles incluem itens como:

  • Caixa e Equivalentes de Caixa: Dinheiro em caixa e investimentos de curto prazo facilmente conversíveis em dinheiro.
  • Contas a Receber: Valores que a empresa tem a receber de clientes ou outras entidades.
  • Estoques: Bens físicos mantidos para venda ou materiais utilizados no processo de produção.
  • Investimentos de Curto Prazo: Investimentos financeiros que podem ser convertidos em dinheiro rapidamente.
  • Despesas Antecipadas: Custos pagos antecipadamente que serão reconhecidos como despesas ao longo do tempo.

O que são ativos não-circulantes?

Ativos Não-Circulantes, também conhecidos como Ativos Fixos, são recursos que não são esperados para serem convertidos em dinheiro ou consumidos no curto prazo, geralmente com um ciclo de vida útil mais longo. Eles incluem:

  • Imóveis: Terrenos e construções de propriedade da entidade (física ou jurídica).
  • Equipamentos e Maquinários: Bens duráveis utilizados na operação do negócio.
  • Propriedade Intelectual: Ativos intangíveis, como patentes, marcas e direitos autorais.
  • Investimentos de Longo Prazo: Participações em outras empresas ou ativos financeiros com horizonte de investimento prolongado.
  • Ativos Biológicos: Ativos relacionados a recursos biológicos, como animais e plantações.
  • Goodwill: Valor atribuído à reputação, imagem de marca e relacionamentos com clientes de uma empresa.

O que são passivos?

Passivos representam as obrigações ou dívidas financeiras de uma entidade, ou seja, são as fontes de recursos que financiam os ativos. Eles são compromissos presentes que resultarão em saídas futuras de recursos econômicos.

Assim como os ativos, existem dois tipos principais de passivos: circulantes e não-circulantes.

A distinção entre Passivos Circulantes e Não-Circulantes é crucial para avaliar a capacidade de uma empresa cumprir suas obrigações no curto e longo prazo. A gestão eficaz desses passivos é essencial para garantir a estabilidade financeira e a continuidade operacional da entidade.

O que são passivos circulantes?

Passivos Circulantes são as obrigações que a empresa espera liquidar no curto prazo, geralmente dentro de um ano. Eles incluem:

  • Fornecedores e Contas a Pagar: Valores devidos a fornecedores por bens e serviços adquiridos a crédito.
  • Empréstimos de Curto Prazo: Dívidas a serem pagas em um período relativamente curto.
  • Salários e Encargos Sociais: Obrigações com funcionários, incluindo salários e benefícios.
  • Impostos a Pagar: Valores devidos ao governo em forma de impostos, como o ICMS e o IRPJ.
  • Provisões: Reservas para cobrir despesas futuras estimadas, como garantias de produtos.

O que são passivos não-circulantes?

Passivos Não-Circulantes são as obrigações que não são esperadas para serem liquidadas no curto prazo, normalmente com um horizonte de tempo superior a um ano. Eles incluem:

  • Empréstimos de Longo Prazo: Dívidas com vencimento em um período mais extenso.
  • Debêntures: Instrumentos de dívida emitidos por empresas para captar recursos.
  • Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias a Longo Prazo: Compromissos com benefícios de longo prazo para os funcionários.
  • Arrendamentos a Longo Prazo: Obrigações decorrentes de contratos de arrendamento de longo prazo.
  • Provisões de Longo Prazo: Reservas para despesas futuras estimadas que se estendem além de um ano.
  • Impostos Diferidos: Passivos relacionados a diferenças temporárias entre registros contábeis e fiscais.

Do que o patrimônio líquido é composto?

O Patrimônio Líquido é uma componente fundamental no balanço patrimonial de uma empresa, representando a diferença entre os ativos e passivos.

Ele reflete a verdadeira propriedade dos acionistas sobre os recursos da empresa e é composto por diversos elementos que ilustram a saúde financeira e a estrutura de financiamento da organização.

Cada componente do Patrimônio Líquido desempenha um papel específico na estrutura financeira e na gestão de recursos da empresa.

A análise desses elementos fornece insights valiosos sobre a saúde financeira, a capacidade de reinvestimento e a estratégia de alocação de recursos da organização.

Veja o que compõe o patrimônio líquido:

Capital social

O Capital Social é a quantia inicial de recursos investidos pelos sócios ou acionistas para fundar a empresa.

Esse valor representa a participação acionária inicial de cada investidor. Em casos de empresas de capital aberto, o Capital Social também é influenciado pela emissão de ações no mercado, como no processo de IPO (Oferta Pública Inicial).

Reservas de Lucros e de Capital

As Reservas de Lucros são porções dos lucros acumulados que são separadas para finalidades específicas.

Entre as principais estão a Reserva Legal, destinada por lei a garantir a estabilidade financeira da empresa, e a Reserva para Contingências, destinada a situações imprevistas. Além disso, existem outras reservas, como a Reserva Estatutária e a Reserva de Incentivos Fiscais.

Ações em tesouraria

Quando uma empresa recompra suas próprias ações, elas são classificadas como Ações em Tesouraria. Essas ações podem ser mantidas para posterior revenda ou canceladas.

Essa movimentação afeta diretamente o Patrimônio Líquido, uma vez que a recompra reduz a participação acionária disponível para os acionistas.

Ajustes de avaliação patrimonial

Os Ajustes de Avaliação Patrimonial referem-se a alterações nos valores dos ativos e passivos da empresa para refletir seu valor justo de mercado.

Isso ocorre especialmente em ativos como propriedades e investimentos. Os ajustes têm o objetivo de garantir que os valores registrados no balanço representem adequadamente a realidade econômica da empresa.

Patrimônio Líquido Negativo

Um Patrimônio Líquido Negativo ocorre quando as obrigações e dívidas da empresa superam o valor de seus ativos. Essa situação é indicativa de uma condição financeira precária, com o passivo excedendo os recursos disponíveis.

Empresas nessa situação podem enfrentar desafios significativos, incluindo a possibilidade de recuperação judicial.

Como calcular o patrimônio líquido?

O cálculo do Patrimônio Líquido é relativamente simples e envolve a utilização da seguinte fórmula:

Patrimônio Líquido = Ativos – Passivos

Essa fórmula reflete a diferença entre os Ativos e os Passivos de uma empresa. Os Ativos representam tudo o que a empresa possui, enquanto os Passivos são as obrigações e dívidas. A diferença entre esses dois valores é o Patrimônio Líquido, que indica a verdadeira propriedade dos acionistas sobre os recursos da empresa.

Para obter os valores de Ativos e Passivos, é necessário consultar o Balanço Patrimonial da empresa. O Balanço Patrimonial é um relatório contábil que lista os ativos, passivos e o Patrimônio Líquido em um determinado período.

Para Calcular o Patrimônio Líquido, siga os seguintes passos:

  1. Obtenha o Balanço Patrimonial: O Balanço Patrimonial é geralmente divulgado no final de cada período contábil e pode ser encontrado nos relatórios financeiros da empresa.
  2. Identifique os Ativos: Liste todos os ativos da empresa, como caixa, contas a receber, estoques, propriedades e investimentos.
  3. Identifique os Passivos: Liste todas as obrigações e dívidas, incluindo empréstimos, contas a pagar, salários a pagar e outros compromissos financeiros.
  4. Calcule os Ativos: Some o valor de todos os ativos identificados.
  5. Calcule os Passivos: Some o valor de todos os passivos identificados.
  6. Aplique a Fórmula do Patrimônio Líquido: Subtraia o total de Passivos do total de Ativos utilizando a fórmula mencionada.

O resultado obtido representará o Patrimônio Líquido da empresa naquele período específico. Esse indicador é fundamental para avaliar a saúde financeira, a capacidade de pagamento de dívidas e a verdadeira participação dos acionistas nos recursos da organização.

O que é o patrimônio líquido pessoal?

O Patrimônio Líquido Pessoal refere-se à riqueza real de uma pessoa ou família, levando em consideração todos os bens e direitos que possuem, subtraindo as dívidas e obrigações.

É uma métrica importante para avaliar a situação financeira individual, representando o valor líquido que uma pessoa realmente possui.

Assim como o patrimônio líquido empresarial, você necessita deste cálculo para ter uma real visão de tudo que você possui.

Manter um controle efetivo do Patrimônio Líquido Pessoal é crucial para o planejamento financeiro e para tomar decisões informadas sobre investimentos, dívidas e metas financeiras pessoais.

Quais são alguns exemplos de patrimônio líquido pessoal?

Para que você tenha uma visão geral, veja alguns exemplos de patrimônio líquido pessoal:

  • Imóveis: A propriedade de uma casa, apartamento ou terreno contribui para o patrimônio líquido pessoal.
  • Veículos: Carros, motocicletas ou outros veículos de propriedade adicionam valor ao patrimônio.
  • Investimentos Financeiros: Possuir ações, títulos, fundos de investimento ou outras aplicações financeiras faz parte do patrimônio líquido.
  • Contas Bancárias e Dinheiro: Saldo em contas bancárias, carteira, ou dinheiro em espécie são componentes do patrimônio líquido.
  • Objetos de Valor: Joias, obras de arte, antiguidades ou outros itens de valor também fazem parte do patrimônio pessoal.
  • Empresas ou Participações Societárias: Ter participação em empresas ou negócios contribui para o patrimônio líquido.
  • Aposentadoria e Previdência Privada: Investimentos destinados à aposentadoria, como planos de previdência privada, também entram na equação.
  • Educação e Habilidades: Conhecimento, educação e habilidades profissionais podem ser considerados ativos intangíveis que impactam o potencial de ganho futuro.

Patrimônio líquido e o imposto de renda

O Patrimônio Líquido desempenha um papel crucial no contexto do Imposto de Renda, pois reflete a verdadeira riqueza de uma pessoa ou entidade.

Compreender como esses dois elementos se relacionam é essencial para uma gestão financeira eficiente e para garantir o cumprimento das obrigações fiscais.

Na declaração do Imposto de Renda, o contribuinte precisa informar seus bens e direitos. Essa seção do programa da Receita Federal é crucial para calcular o Patrimônio Líquido pessoal.

Se houver venda de bens, como imóveis, é necessário informar os ganhos de capital. Isso pode impactar o Patrimônio Líquido e deve ser adequadamente registrado na declaração de Imposto de Renda.

Além disso, Rendimentos de investimentos, como dividendos e juros, são parte do Patrimônio Líquido e devem ser declarados para garantir a precisão na tributação. Passivos, como dívidas e financiamentos, também devem ser considerados. Certos tipos de dívidas podem ter impacto na declaração do Imposto de Renda.

Uma dica importante relacionada com o patrimônio líquido. O software da Receita Federal apresenta uma seção denominada “Bens e Direitos”, na qual é necessário detalhar todos os bens móveis, imóveis, direitos e obrigações que compuseram o patrimônio da pessoa física ao longo do ano calendário, tanto no Brasil quanto no exterior.

Esse procedimento, elucidado pelo especialista em Imposto de Renda, é uma estratégia valiosa para organizar minuciosamente as informações relacionadas às finanças pessoais.

É importante ressaltar que essa abordagem não deve ser confundida com a análise do patrimônio líquido durante a declaração do Imposto de Renda.

A valorização de ativos como imóveis e automóveis, por exemplo, não necessita de correção na declaração. No entanto, ao realizar sua análise financeira pessoal, é fundamental considerar o preço de mercado desses bens em seu próprio balanço.

Essa distinção é essencial para manter a precisão e a conformidade nas declarações fiscais, evitando equívocos com as autoridades competentes.

Assim, o seu patrimônio líquido deve ser declarado corretamente e você pode usar o programa para fazer a análise mais simplificada de seus bens.

Perguntas frequentes

Patrimônio líquido de um fundo de investimento pode ser expresso?

Sim, o patrimônio líquido de um fundo de investimento pode e é geralmente expresso. O patrimônio líquido de um fundo, também conhecido como valor líquido do patrimônio (VPL), é calculado subtraindo os passivos do ativo total do fundo. Ele representa o valor dos ativos que pertence aos cotistas do fundo após a liquidação de todas as obrigações.


Quem determina o que é patrimônio?

O conceito de patrimônio pode variar dependendo do contexto, mas em geral, ele é determinado pelas normas e princípios contábeis e legais que regem a contabilidade e as finanças.


O que é patrimônio bruto?

O "patrimônio bruto" é utilizado para expressar o valor total dos ativos antes da dedução de passivos, refletindo, assim, o total bruto dos recursos da empresa.


Você também vai gostar